quinta-feira, 11 de agosto de 2016

27º Corrida Baía de Monte Gordo

Partida 27º Corrida Baía de Monte Gordo
No passado dia 7 de agosto participei mais uma vez nesta agradável prova pelas praias entre Manta Rota e Monte Gordo embora desta vez com objetivos diferentes dos anos anteriores.

Não consigo precisar qual a primeira vez que corri estes 8km ao longo de um areal repleto de veranistas prontos a aplaudir a passagem de quem escolheu fazer algo diferente do que apanhar sol na praia num domingo em pleno mês de agosto e desde logo me apaixonei pelo ambiente proporcionado aos atletas. O primeiro pensamento era um dia ter condições para ganhar esta prova para sentir toda a atmosfera envolvente quando percorremos o último quilómetro no areal de uma das praias mais concorridas do Algarve.

Este ano devido ao campeonato do mundo apenas ser no final deste mês estava finalmente em condições de discutir a vitória e aproveitando para fazer o derradeiro teste para o campeonato que começa já no próximo dia 19!

Para avaliar a minha forma física corri de forma diferente do habitual e nunca tentei seguir num grupo, coloquei um ritmo elevado (tendo em atenção que corremos em areia molhada e este ano com vento contra) e tentei aguentar até final sabendo que se não quebrasse provavelmente vencia a prova. Estratégia bem planeada e o resultado foi o esperado, venci e convenci-me!

Sim, convenci-me! Este ano não tive um bom ano em termos de treino, muitos períodos sem treinar regularmente e outros com pouca intensidade. No entanto, no verão tenho treinado com muito querer e persistência e vejo uma evolução significativa na minha forma física. Não me sinto na melhor forma de sempre (um desejo de todos os atletas quando se aproxima a competição mais importante da época) mas sinto-me capaz de alcançar os objetivos que delineie e estou confiante. Após a prova fiquei definitivamente convencido, agora é trabalhar os dias que faltam e ultimar todos os preparativos para quando o dia chegar não seja surpreendido com nada e alcance o que pretendo!

Pódio Geral - 1º João Figueiredo 25'41'', 2º Celso Graciano 25'58'', 3º Celso Brito 27'02''
Resultados completos aqui.


M

sábado, 23 de julho de 2016

Figueira City Race

Foto ADMondego
A faltar um mês para mais uma participação no WOC (campeonato do mundo de orientação) a preparação está a correr conforme esperado. Pela primeira vez estou a preparar um WOC sem ter a pressão de simultaneamente ter que estudar para os exames, infelizmente não é uma altura favorável principalmente para preparar o campeonato no local onde este se vai realizar! Esta situação deve-se à gestão financeira da Federação, mas também a minha própria. Não é um ano em que possa investir monetariamente na minha evolução como atleta por diversos fatores...

Vou preparando a minha preparação da melhor forma possível e é esse facto que me levou a participar na prova de orientação Figueira City Race (participação incluída  num estágio de fim de semana da toda a comitiva que vai representar Portugal no WOC).

Seleção Nacional - Foto ADMondego
Os orientistas já estão familiarizados com o que é a City Race e para que serve. Mas um dos principais objetivos da criação deste tipo de provas é mesmo cativar novos atletas para a modalidade por isso nunca é demais explicar o conceito.

Estas provas realizam-se, na maioria das ocasiões, em grandes centros urbanos e têm o objetivo de percorrer os pontos de interesse da cidade com um mapa na mão e realizando um percurso de orientação que geralmente ronda os 10km. Uma excelente forma de conhecer um determinado local e a modalidade em causa.

A minha prestação na etapa da Figueira deixou-me satisfeito, senti-me melhor em termos físicos e a leitura de mapa foi fluida. Cometi algumas hesitações, mas não cometi erros que me custassem muito tempo perdido. Em geral, a prova deixou-me boas indicações para o mês que falta de treinos para alcançar o objetivo a que me propôs no campeonato do mundo.

Não me vou alongar mais sobre a prova, resta-me partilhar com vocês o meu percurso e a análise do tempo perdido.
Percurso Figueira City Race
Análise splits

Resultados Seniores Masculinos

 Resultados Completos

M

terça-feira, 21 de junho de 2016

Análise Campeonato Nacional Distância Média e Estafetas

Passado mais de uma semana depois de ter conquistado o meu primeiro título de floresta no escalão máximo da orientação nacional (apenas tinha ganho o sprint em 2013) e de ter ajudado o CNAlvito a fazer história e alcançar um lugar no pódio no campeonato de estafetas (3ºlugar) finalmente consigo analisar as minhas prestações, pois foi uma semana atarefada a nível académico (2 exames e 1 frequência).

Camp.Nac.Dist.Média - GPS track
Mantendo a mesma ordem que foi realizada as competições começo por analisar a distância média, distância que desde o momento que subi de forma e tendo em conta que alguns dos meus adversários pertenciam à organização da prova pretendia ganhar.

Não tive um começo muito rápido, mas a navegação ia fluida. Senti-me confortável na maioria do percurso em termos físicos, embora fosse acumulando pequenos erros sentia que a prova se ia decidir em pequenos detalhes ou num ponto mais técnico e que fosse abordado com menos calma. Ultrapassei as dificuldades e no final o resultado foi o desejado, embora cometa muitos erros de direção e controle muito pouco a saída dos pontos de controlo. Saiu do ponto quase sempre de acordo com o ângulo e raramente procuro informação que me dê suporte na escolha que fiz, um aspeto que tenho que corrigir rapidamente pois nem sempre é possível compensar desvios na escolha de itinerário fisicamente, principalmente numa competição de nível internacional.
Camp.Nac.Dist.Média - Tme Lost

Camp.Nac.Estafetas - GPS track
No domingo teve lugar a prova de estafetas, que para mim continua a ser a mais empolgante por manter em aberto o vencedor até final. Competi com uma equipa modesta e sem grandes objetivos, apenas pretendíamos realizar mais um excelente percurso que a organização do Gafanhori nos tinha preparado. Fui o primeiro elemento da equipa (como é hábito sempre que faço estafetas) e cedo se percebeu que a minha equipa podia alcançar o pódio no campeonato nacional.

Quanto à minha prestação o facto de ir em grupo não favorece a orientação precisa, o pensamento é sempre sair rapidamente dos pontos e ganhar o maior tempo possível. Obviamente, com o meu atual nível técnico e com uma velocidade maior que na prova de distância média muitos são os momentos em que me sinto pouco confiante relativamente à minha posição no mapa/terreno, provocando muitas hesitações que culmina com segundos e segundos de tempo perdido...
Camp.Nac.Estafetas - Time Lost
 Resultados completos (splits e totais)
Resumo Campeonatos Nacionais Distância Média e Estafeta

M

domingo, 22 de maio de 2016

Challenge Volkswagen 2016

Depois de o ano passado ter decidido participar na corrida Volkswagen apenas na semana antes, este ano desde muito cedo que reservei o fim de semana de 21 e 22 de maio para estar presente mais uma vez neste evento. Este ano a novidade foi a adição de uma prova de trail à habitual corrida formando assim o Challenge.

2 provas muito bem organizadas e com características completamente diferentes, uma com a percorrer estradas e trilhos da região de Palmela terminando numa dura subida até ao castelo via estrada romana e outra uma prova completamente plana a visitar todos os cantos do maior parque industrial automóvel de Portugal, a Autoeuropa.
Trail Volkswagen 2016

Quanto às minhas prestações deixaram-me bastante satisfeito, sinto-me muito mais confortável a correr e com maior resistência. O treino está a começar a fazer efeito e o ritmo competitivo começa a surgir. Confesso que enquanto escrevo o post tenho as pernas muito doridas, mas 25km a ritmos elevados em 2 dias de competição não faço todos os fins de semana, uma consequência normal!

Terminei os 15km do trail em 2º lugar, com o tempo de 1h04min38s a 1min e 30 segundos do campeão nacional de corta-mato longo Nélson Cruz e a mais de 6 minutos do 3º classificado.
Classificações Trail Volkswagen 2016

Depois de um merecido descanso, domingo de manhã foi a vez de realizar 10km, percorridos na totalidade nas instalações da fábrica Autoeuropa. Um percurso com algumas zonas que nos faziam quebrar o ritmo (principalmente dentro dos pavilhões) mas muito agradável. Nem sempre existe a possibilidade de visitar instalações deste tipo quanto mais fazê-lo a correr! Como estudante de engenharia mecânica e apaixonado pelo atletismo não podia pedir melhor...
Corrida Volkswagen 2016
Completei os 10km com o tempo de 32min37segundos, ficando a 38 segundos do vencedor que foi mais uma vez o Nélson Cruz.
Pódio Corrida Volkswagen 2016
Classificações Corrida Volkswagen 2016
Com ambos os resultados terminei o Challenge (Trail+corrida) em 2º lugar.

Um fim de semana que me deixa muito motivado para o resto da época, pois apesar de não ter ganho nenhuma das provas perder com um atleta como o Nélson não me deixa qualquer tipo de marca negativa. Contudo, receber as felicitações pelas minhas prestações dele e de todas as pessoas que acompanharam ambas as provas só me podem deixar motivado!
Vencedores Challenge Volkswagen 2016
Resta-me agradecer à organização pelas 2 provas magnificas e para o ano espero estar novamente presente neste evento.


segunda-feira, 2 de maio de 2016

1 semana, 3 eventos para ganhar ritmo competitivo...

Campeonato Ibérico Feminino (Aguiar da Beira), Challenge 3000m (pista Jamor) e Corrida 1ºMaio (Lisboa) foram as provas que na última semana estive presente. Em todas elas defini diferentes objetivos e quase todos eles foram cumpridos.

Campeonato Ibérico Feminino - Prova de orientação depois de estar quase 2 meses sem competir na modalidade. Quando decidi participar neste evento sabia que as coisas não podiam sair muito bem tecnicamente e por isso tracei um objetivo claro: terminar todas as provas fisicamente bem. 
Track Distância Média
Como seria de prever logo na etapa de distância média perdi imenso tempo no ponto de controlo número 1, mas com a restante prova até acabou por ser um mal menor e deixar-me satisfeito. Talvez o facto de o mapa ser muito atrativo e um bom percurso tenham contribuído para a satisfação global da minha prestação.
Track Sprint
Na etapa de sprint esperava fazer um pouco melhor, pois estou a sentir-me melhor fisicamente. Contudo, uma fraca leitura de mapa em ritmos mais elevados nunca me permitiu andar a "full speed" juntando a isso umas hesitações e uma má escolha de itinerário fez com que perdesse mais de 1 minuto para o melhor tempo num percurso relativamente pouco exigente tecnicamente.
Track Distância Longa
Para finalizar o fim de semana corri a etapa de distância longa, sem dúvida a etapa que eu tinha mais receio em não aguentar fisicamente. No início coloquei um ritmo baixo e tentei fazer orientação fluida, mas um segmento do percurso (pontos 10 a 17) onde simplesmente deixei de conseguir contactar com o mapa fez-me perder imenso tempo tecnicamente, aliando o desgaste físico a partir desse momento foi sofrer até terminar a prova, muitas pernadas a alternar corrida com caminhada fez com que eu terminasse a prova com um tempo bastante modesto.
Resumo 3 etapas
No geral, considero um fim de semana positivo, pois onde realmente me senti desconfortável foi na distância longa e devido ao meu atraso na preparação física era expectável...


Challenge 3000m - Dia 27 (quarta-feira) Estive numa prova organizada pelo programa de marcha e corrida para tentar bater o meu recorde pessoal aos 3000m e consequentemente baixar a barreira dos 9 minutos. Sentia-me confiante para o fazer, mas apenas compareceram à prova 5 atletas dos 20 inscritos e além de mim e do meu colega Tiago Romão ninguém estava disposto a correr para ritmos perto de 3min/km. Comecei forte e terminei fraco, fiz 9'09'' o que possibilita a renovação dos mínimos físicos para permanecer no grupo de seleção de orientação pedestre mas longe do objetivo a que me tinha proposto...

Corrida 1ºMaio - Corrida com 15km onde percorre as avenidas mais importantes de Lisboa (Avenida República, Avenida da Liberdade, Avenida Almirante Reis e Avenida de Roma) passando pelas praças emblemáticas (Restauradores, Rossio, Terreiro do Paço, Martim Moniz, Alameda). Uma novidade para mim em termos de distância, até hoje apenas tinha competido em provas de estrada até 10km. O objetivo para este evento era ver como reagia à distância e se conseguia fazer uma prova regular em termos de ritmo. Comecei sem grandes excessos, tive algumas dificuldades entre os 8km e os 12km fruto de seguir sozinho na estrada, pois tinha descolado do grupo da frente e os atletas atrasados não conseguiram colar. Acabei por correr meia prova sozinho, mas a ritmo constante. Boas sensações e 5º lugar na geral numa prova que só pecou por falta de mais atletas a andarem na frente...

Agora continuar a treinar para estar bem nos momentos importantes da época, os campeonatos nacionais de orientação!

M

terça-feira, 19 de abril de 2016

Quando os resultados começam a reflectir a tua época...

Após um longo período sem competir a tentar corrigir a época e subir de forma voltei novamente a aventurar-me numa prova de atletismo e o resultado não podia ter sido mais ajustado ao meio atual momento!

Questionou-me muitas vezes o quão longe estão os tempos em que disputei a vitória na competição que corri no passado sábado (09/04) e chego sempre à mesma conclusão: não passou muito tempo mas passou a haver muito menos vontade e quilómetros quer no treino quer em competições. No 11º Grande Prémio de Atletismo Dr.Carlos Gradiz fiquei em 2º a apenas 7 segundos do vencedor da altura, na 14º edição fico a mais de 2 minutos. Provas diferentes e pouco comparáveis pois os adversários não são os mesmos, mas existe um decréscimo claro da minha prestação.

Podia arranjar bastantes desculpas para não ter evoluído nestes últimos tempos mas a verdade é que os anos menos bons de treino (2014, 2015 e agora 2016) estão a acumular e faz com que não seja tão fácil chegar ao nível pretendido e acompanhar os adversários que prosseguem o treino motivados e com ambição de melhorar.

Esta situação deixa-me em mãos novo dilema e sim! Este é o meu problema diário e que ainda não consegui solucionar...

Cada vez que treino sozinho (e esta época são muitos treinos feitos desta forma) sinto-me cansado, saturado do que vou a fazer. Adoro correr e isso nem questiono, mas o porquê de correr? Essa é a minha dúvida! Creio que entrei num ciclo onde quero melhorar a minha forma mas sem sofrer e definir prioridades e isso, felizmente para a magia do desporto, não é possível.

Procuro resultados com treinos medíocres e muito pouca regularidade. De tempo a tempo faço um treino que mostra que tenho alguma qualidade e que devia apostar, motivo-me 2/3 dias e à mínima adversidade "abandono logo o barco". Isto não é, claramente, ser atleta. É sim ser preguiçoso!

Sempre tive dificuldades em ser regular a treinar, mas com a dose de motivação certa ia cumprindo e melhorando. Atualmente não existe essa motivação, não tenho objetivos claros e sinto-me perdido no meio. Confesso que não sei onde tudo isto começou mas a verdade é que lido diariamente com os efeitos.

Sei que existem pessoas que acreditam nas minhas potencialidades e sempre me incentivaram a continuar, sei que existem pessoas que ao ver aqueles treinos em dia SIM sabem que tenho capacidade e que tudo depende de mim...

Este desabafo é sobretudo uma tentativa (talvez até um pouco extrema e desesperada) para mudar tudo isto, não é um pedido urgente de apoio como ate possa parecer, não é uma declaração de afastamento imediato deste modo de vida, é apenas mais uma fase menos boa de um longo caminho de um atleta para atingir os seus sonhos já sonhados ou por sonhar!

M

P.S: Um dia quando reler tudo o que escrevi neste blog e chegar a esta mensagem vou-me lembrar que o caminho nem sempre fui fácil mas que de alguma forma irá sempre compensar...

quarta-feira, 17 de fevereiro de 2016

Norte Alentejano "O" Meeting 2016 - Castelo de Vide

NAOM, uma sigla que muitos atletas nacionais e internacionais já conhecem e associam a terrenos de boa qualidade numa região do país cada vez mais desertificada sem razão aparente. Vida pacata e todos os serviços fazem desta  zona uma das minhas favoritas para um dia poder viver e desfrutar o dia-a-dia sem o stress dos grandes centros urbanos.

O facto de adorar visitar esta zona do país, que não fica assim tão longe da minha casa, faz com que até hoje não tenha falhado nenhuma edição do NAOM e este ano não foi exceção.

Num fim de semana de rigoroso inverno (vento forte, frio e chuva) o clube organizador (GD4C) forneceu a todos nós um terreno de grande qualidade. As minhas prestações não foram brilhantes nem tão pouco melhores que no POM, um terreno de difícil progressão aliado a muitos erros técnicos explicam as minhas classificações menos conseguidas num escalão muito competitivo fruto da divisão pela metade dos atletas inscritos consoante o seu ranking mundial.
Etapa 1 WRE - route
Sprint Nocturno dia 1 - QuickRoute
Etapa 2 - QuickRoute
Quadro resumo todas as etapas
Resultados de todas as etapas

Terminado o NAOM, termina também a sucessão de provas pontuáveis para o ranking mundial da modalidade em Portugal. Agora é voltar à regularidade dos treinos e melhorar a todos os níveis para que na próxima prova não me limite a aparecer e realizar o meu percurso, mas competir!

M